quinta-feira, agosto 24, 2006




O lançamento do ano... L-DOPA e PUNCH DRUNK Lançam esta obra espetacular de músicas pauleiras, populares e rebeldes do fabuloso Terrorismo Brando... O split maldito "mais esperado de todos os tempos"...
PLUTO Y ORNITORRINCOS... E todo esse charme em vinil cor de rosa...
O disco está custando R$ 20,00 (vinte reais)! (sem correio)
Para maiores informações: villaverde78@gmail.com
A/C: Daniel Villa Verde
Rua Marechal Floriano Peixoto, # 49
Santo Antônio da Patrulha/RS
cep. 95 500 000
Brazil
Entrem em contato!

sábado, agosto 19, 2006

Rob Chester em Santo Antônio da Patrulha!


Taí, show em Santo Antônio da Patrulha em setembro...
E este meu protótipo de cartaz feito no pc pela primeira vez.... ahhh!

Inseticida Freak Style, 10 anos de fotocópias..


Em abril deste ano a Inseticida Freak Style comemorou 10 anos, contando com a data do primeiro fanzine ANARCO-VOMIT(1 e 2), posteriormente publiquei fanzines como: Infektos Muertos (3# números), VIAGRA Maggot gore grinder show(1 nº), Inseticida Freak Style(4), Cucking Stool (Parte I & II, que é um livro que ainda estou escrevendo de contos e crônicas marginais, subversivas , anarquista,dadá ou ingênuos traços de surrealismo infantil). & LETTRAX ACRATTAX (2 nºs), de poesias experimentais... Argumentos Reflexívos de um Psicopata(com textos do maldito escritor Werner Krustkopp) e O Grande Olho da Serpente (fanzine experimental feito em um dia com 40 páginas de colagens e restos sem nexo).
Futuramente quem sabe: "Feitisífilisçaria de Gnomonorréia", fanzine de quadrinhos malditos proibido para qualquer terrestre. http://www.insektron.blogspot.com

quarta-feira, agosto 16, 2006

MEU PRIMEIRO LIVRO DE POEMAS

Capa do meu primeiro livro de poesias, MINHA PRIMEIRA VIDA", publicado em 1988. O desenho da capa foi feito por mim, mas a pintura e o letreiramento foi feito pelo meu pai Luiz Nicanor, manualmente.

MINHA PRIMEIRA MATÉRIA EM JORNAL...

Primeira matéria sobre o meu livro de poesias que escrevi aos 8 anos de idade e publicado quando tinha 10,"MINHA PRIMEIRA VIDA", no jornal Folha Patrulhense...

CRIANÇA ACRATA.


Esta Ilustração eu tirei da revista EU SEI TUDO de 1928, para (provável) capa do meu livro criança acrata

terça-feira, agosto 15, 2006

CRIANÇA ACRATA.

Alguns poemas do meu livro inédito CRIANÇA ACRATA
FELIZ ANIVERSÁRIO, JESUS!
Fétida alcova
de musgos bucólicos
(presente)
pego um pão sem pedir
-pudim-
prego (futuro?)
Na santa ceia
pão mofado, atado
maltratado, trigo
trago - (vinho) - a nova
de intrigas
a-tre-lado ( a lado)
(de que lado tu estás?)
Pergaminho inculto
culto -a- teu
incólume caminho alado
bergamota e alumínio
O mínimo
ácido sulfúrico
suco de framboesa
e merengue no bolo
uma - pessoa -
completa - 33 - anos

FADA

dias lunares
grampos no cabelo
menina de olhos/verdes
pastos - que a ovelha
mastiga, manteiga e avelãns

AMALTÉIA

cornu(cópia) figurativa
diagonal luxúria insana
clama - pelas chamas
na clave, Diana?
dígrafos de sol
soldados de chumbo
diga que lhe ama
diáspora - na cama -
invólucro em muros de sangue
mangue, extrato de fortuna
(urna) de ouro,
gang de mouro
ilustrativa imagem de Amaltéia
quem tiver - uma idéia - cornucópia
exala aromas de azaléia
CONTEMPORANEIDADE REMOTA
tiro de fuzil/fugitivo
literatura barroca/ oca por dentro-
canil apocalíptico/sifilítico etílico
transtorno enigmático/asmático
Pragmático
Deméia, surtam / furtam tambores
o vinho, transpassam funil(ária)
anarquia, a prole do dia
coração mecânico / messiânico anzol

CÉLULA MÃE

vingança - plasmática,
um citoplasma sem núcleo
(social)
Sade, normal (ateu)
plebeu teocrático
asfaltos telúricos
de tudo - um mudo? i-mudo
e-mail - entre-veio

CARNAVAL

carnaval / naufrágio
a(val)/ no álcool
nava(lha) a - nal
(?) navalha / batalha
naval (ha), navio
no vinho, ou Baco?
bacanal, carnavalo

CINEMA MUDO

preto no branco
azul mil
verdes metas, incêndio
arrombando cofres
estrogonofe champagne
meus diários remotos
ornamentos da escrita
mal dita algumas linhas
- finjo entrar no trem -
outrem, quer dizer
um ser fútil, um
verme, alguém?
Ontem, choveu
nu(a)vens de hortelã

DRAMATURGIA CELESTIAL

queijo fatiado
como corpo de abutre
mestre de imperfeições
castigo -da- religião
ingrata, mata
esconde o pau,
queima o cajado
forjado - / suas letras sacras
recitadas em cima
das impuras marmorarias
podres, em febres
da besta, ilusão de ótica

MIDIÁTICO
-atroz-
cérebro danificado, televisão
-veloz-
aluguel dobrado, não ama
-albatroz-
locução do diabo, religião

SEXUS, COMPLEXUS, SEM NEXUS

enigma
sangue espumado, no bojo
amalgama
sexo esfarrapado, na cama
telegrama
servo dopado, caolho

SERENATA DE AMOR

ontem...
loucura plena, declamar
totem
arranque uma pena, poemas
voltem!
noite serena; chorar;

%

tudo igual
Às vezes
terá que dividir
e o quê
irá somar
na sua vida(?)
= multiplicando
sabedoria =

IMAGEM
índio - vermelho
lua - azul
cobra - verde
arremesso
de pedras
TV fora
do ar...

GOTA

encosto o cano da arma
no ventre, disparo - amparo
uma criança não sorriu
segunda-feira pela manhã.
encosto o cano da arma,
não sente? reparo meu erro
-teu- ou nosso; criança?
teus olhos não têm brilho
nem uma lágrima - gota - ...
conta outra
para que eu possa nadar
em seu vasto oceano
e gesticular como um peixe
meu pedido de desculpas...
são pétalas perdidas
na calçada
dez/2003

ANIME

mangás, leio de cabeça
para baixo
para baixo
para baixo,
elétrico
munista
ticas
de guerra civil...
acendo o pavio,
incauto
inculto, a antiarte

A CAIXINHA DE BONECA
a boneca
deitada na caixinha
descansa sobre
o modess que
serve de colchão.
... ela deixou
de ser
menina!





















10 ANOS DE FANZINES!

Inseticida Freak Style é o nome que eu (Luiz Gustavo Vargas - Insekto) dei para a minha "editora", ou melhor, o nome que assinava a publicação dos meus fanzines...
oprimeiro foi o anarco-vomit em abril de 1996, logo veio o segundo...
Escrevi o Anarco Vomit 2. Nessa época eu ainda não sabia muita coisa sobre o underground e até onde isso ia parar. Mudei o nome do zine, para não ficar associado apenas ao anarquismo e ao hardcore, mas para falar de muitas outras coisas, como filmes trash, outros estilos musicais, literatura , literatura marginal, poesias experimentais e surrealistas, contos malditos, jazz e café com leite...
Este segundo não foi muito divulgado...
Então fiz o terceiro zine...
Ou melhor, o primeiro INFEKTOS MUERTOS que foi até o número três...
Infektus muertos #1